Francesca Woodman: A insustentável leveza da arte.

Era 19 de janeiro de 1981. Uma jovem salta do alto de um edifício em Nova Iorque.  Naquele dia, nascia da tragédia um novo ícone. Muitas vezes , mesmo aqueles que se interessam por fotografia,  se ocupam em pesquisar  nomes conhecidos da mídia.  Entretanto,  a Fotografia,  em seu universo conceitual e artístico  possui outros “alguéns”,  geralmente adjetivados e guardados no underground da arte.

Francesca Woodman (1958 – 1981), vítima da depressão aos 22 anos , é o clássico exemplo.

Nascida em Denver (EUA), a jovem fotógrafa deixou para trás cerca de 800 fotos impressas, retratando segundo alguns, o prólogo de uma história que já apresentava o roteiro de seu desfecho precoce. As imagens trazem a própria Francesca, geralmente fantasiada ou nua, como coadjuvante em cenários em que o ambiente e a arquitetura do espaço, são  apresentados de forma mais tangível que a artista . Em muitas imagens, seu corpo aparece desagregado e opaco. A antítese do auto-retrato.

A força dessas imagens, agregadas a forma violenta de sua partida, colaborou para criar em torno da artista, uma certa aura de romantismo e tragédia, que acompanham sua memória desde então.

Ano passado , completaram-se 35 anos desde sua morte e devido a importância de seu legado, o Foam Museum de Amsterdã,  reuniu em uma exposição, cerca de 120 fotos e seis vídeos, criados no decorrer de seus breves e produtivos oito anos de carreira.

Assim como o peso do suicídio condicionou e limitou a valorização da sua obra, ela tem sido frequentemente associada ao movimento feminista. “Sabia das reivindicações do movimento, mas não havia nenhum propósito de se manifestar como uma delas em sua arte. Depois de sua morte, algumas críticas de arte feministas usaram a obra dela em seu discurso”, diz a curadora da exposição. “O que eu acho importante é situar sua obra no meio do caminho entre a performance e a fotografia. Suas obras funcionam, às vezes, como fotografias e outras como documentos de uma performance”.

Independente de qualquer interpretação ou viés analítico que se queira apresentar, a vida de Francesca Woodman, foi marcada por sentimentos, emoções e fatos que definitivamente, estão presentes em suas produções.

Confira algumas imagens:

Dimas Mendes Jr. – ART URBe

Conheça ART.URBe no Facebook: 

Fotos : © Francesca Woodman